Arquivo do mês: dezembro 2008

O belo na arte

A incrível e meritória (?) arte de escrever sobre o que não se sabe: eis o que é a filosofia. Uma tentativa de estabelecer o necessário, o almejado e tão-somente necessário, como possibilidade de comprovação de verdades, que não são … Continuar lendo

Publicado em Arte, Estética, Filosofia | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Da essência dos parafusos

O mundo eminentemente prático e a produção de objetos que atendem àquilo que é materialmente necessário à sobrevivência da humanidade fizeram-me pensar na felicidade de um grande fabricante de parafusos. Não chego a ter certeza, mas presumo que mesmo o … Continuar lendo

Publicado em Reificação, Sociedade brasileira, Sociedade gaúcha | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Patacoadas de uma república de bananas

  Chamemos a atenção, em primeiro lugar, para a primeira palavra do título deste artiguinho. “Patacoada” é coisa de patacos, de indivíduos idiotas, estúpidos, parvos. Em segundo lugar, tem-se a expressão “república de bananas”,  que aqui não faz menção às … Continuar lendo

Publicado em Política, Sociedade brasileira | Marcado com , , | Deixe um comentário

Outra pequeníssima tradução de Melville

[Original] Etymology (supplied by a late consumptive usher to a grammar school) The pale Usher – threadbare in coat, heart, body, and brain; I see him now. He was ever dusting his old lexicons and grammars (…). He loved to … Continuar lendo

Publicado em Tradução | Marcado com , , | Deixe um comentário

Sobre abelhas e homens

  Um famoso pensador ocidental certa vez ousou comparar abelhas e homens por aquilo que ambos fazem ao construir suas casas (ou favos). A diferença, dizia-nos o astuto pensador, era a de que mesmo o pior dos arquitetos humanos (ao contrário … Continuar lendo

Publicado em Filosofia, Marxismo, Política, Sociedade instrumentalizada, Tempo | Marcado com , , | 3 Comentários

Antes e depois, sempre

É claro que sabemos tudo sobre o depois, e nada sobre o antes. Ali, no nada sobre o antes, construímos nossa filosofia. A consciência é dependente do tempo; o tempo, da consciência. Antes do homem, o que havia? E depois, o … Continuar lendo

Publicado em Filosofia | Marcado com , | Deixe um comentário

Uma tradução de Melville

Da série “Traduções prazerosas”: Trecho de carta de Melville a Hawthorne. O texto é de 1851. Em primeiro plano, o original (em preto) e, logo abaixo, minha tradução (em azul). A seguir, na cor verde e em frases numeradas, um comentário informal das escolhas formais … Continuar lendo

Publicado em Tradução | Marcado com , , , | 4 Comentários

Sobre Heidegger e sua análise de Hölderlin, aplicada a mim mesmo sem intenção de eco ou rima

 Meu tempo é o tempo do poeta. Mas o que é declarar isso de maneira tão abrupta sem dar maiores explicações ao leitor de hoje? A primeira dificuldade com que me deparo é de fundo cultural. Ter a coragem de … Continuar lendo

Publicado em Filosofia, Poesia | Marcado com , , , , | 1 Comentário

Inspirado em Pascal, Pensamentos 139 e 339

 Contentar-se em fazer, fazer e fazer, em não silenciar, em jamais parar. É esse o espírito da materialidade rasteira que governa os espíritos de homens que apenas constroem com as mãos – e em última análise para o estômago – objetos bem … Continuar lendo

Publicado em Filosofia, Reificação, Viagem | Marcado com , , , | Deixe um comentário

A felicidade no trágico

Para suportar a moira (o destino, o terrível e o horrendo, em outras palavras, nossa ignorância completa sobre o sentido da vida, aquilo que sentimos quando nos perguntamos “o que estou fazendo aqui?”) há de se representar, seja pelo sublime … Continuar lendo

Publicado em Comédia, Tragédia | Marcado com , , | Deixe um comentário

Escrito à sombra de um obelisco

    O velho que me olha com olhar de avô, não é, é claro, meu avô. Muito menos meu pai, morador hipotético e emérito desta cidade. Estou à sombra de um ícone grego, escrevendo em português, falando em português, … Continuar lendo

Publicado em Buenos Aires, Família, Viagem | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Como (não) dar presentes

  Como diria Nietzsche, em Aurora (464), presentear alguém deve ser algo feito da maneira mais anônima possível. Nada mais presunçoso do que presentear com aquele sorriso piegas no rosto. A Natureza, quando nos presenteia com sol ou com uma chuva … Continuar lendo

Publicado em Cristianismo, Natal, Religião | Marcado com , , , | 2 Comentários

Pensando a poesia; a poesia como pensamento (fragmento de uma aula introdutória à Teoria da Literatura)

Pensar a literatura de maneira pragmática, isto é, fazendo com que ela cumpra uma determinada função é algo tão antigo quanto Aristóteles, com a idéia de catarse, mas que fica mais bem expresso no século I a.C. em Horácio, o … Continuar lendo

Publicado em Poesia, Teoria da Literatura | Marcado com , , | 4 Comentários

Ser artista, hoje

 Ser poeta, cineasta ou qualquer coisa relacionada à arte ganhou, hoje, uma conotação repugnante. Estou convencido de que é melhor ser escriturário. Já fui; vou sê-lo; já sou. Todos querem saber o que o artista pensa. E o artista, hoje, … Continuar lendo

Publicado em Arte, Porto Alegre, Sociedade gaúcha | Marcado com , , | 2 Comentários

O esporte e seus defensores “radicais”

 Um simples par de tênis provocou-me a seguinte reflexão: serve-me por sua utilidade ou serve-me por motivos outros? Para mim, serve por ser útil, por evitar o impacto contra o solo, protegendo as articulações do joelho, etc. No entanto, é … Continuar lendo

Publicado em Esporte, Silêncio, Sociedade instrumentalizada | Marcado com , | Deixe um comentário

Tchekhov – Uma história enfadonha

Em tempos de globalização e pensamento único, nada como voltar a Tchekhov e seu magistral conto “Uma história enfadonha”. Lá estão os motivos que fazem com que o intelectual às vezes canse da vida em casa, da vida em sociedade … Continuar lendo

Publicado em Literatura, Universidade | Marcado com , , , | 2 Comentários

Narrativas e dramas

Mesmo recorrendo à narrativa a ao drama reiteradamente por motivos profissionais e, às vezes, até por prazer, não consigo ver um aspecto positivo no fato de que no Brasil as novelas (que são, na base, narrativa + drama) façam tamanho … Continuar lendo

Publicado em Sociedade brasileira, Televisão | Marcado com , , | Deixe um comentário

Poema para minha avó à beira do Alzheimer

  Por mais que escreva páginas e páginas de artigos e textos Por mais que pense ter encontrado o caminho no final da curva Por mais que sinta o corpo satisfeito Por mais que sinta o prazer da música Por … Continuar lendo

Publicado em Poesia | Marcado com , , | Deixe um comentário

De volta a Turner

Diante da mais absoluta ignorância com a qual freqüentemente me deparo, diante dos olhares bovinos que me encaram quando falo de coisas como um quadro que julgo belo, diante da mais estúpida animalidade bárbara da colônia imersa no mais raso domínio … Continuar lendo

Publicado em Arte, Pintura, Sociedade instrumentalizada | Marcado com , | 2 Comentários

Burgess – English Literature

Em um texto bastante simples e direto, como devem ser, aliás, os textos didáticos, Anthony Burgess dá uma boa introdução ao tema “o que é literatura?”. Nos primórdios da minha graduação o havia lido, mas dele não me lembrava. Agora, … Continuar lendo

Publicado em Literatura, Teoria da Literatura | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Flaubert. Flaubert?

A inevitabilidade da constante troca de estados de espírito é em muito proveniente do efeito que o mundo exterior em geral provoca. Como não é possível viver em harmonia com uma civilização milenar que se repete em erros mesquinhos e egoístas, … Continuar lendo

Publicado em Escritores, Literatura | Marcado com , , | Deixe um comentário

Herman Melville e a caridade

A possibilidade (forte) de o nada estar à espreita do outro lado ou a percepção momentânea e aguda de que os objetos vistos e revistos cotidianamente – com significado bem definido, portanto – se mostram, de maneira repentina, tão desprovidos … Continuar lendo

Publicado em Religião | Deixe um comentário

Mensagem ao filho que não tenho

Calma, filho, o senso estético não está de todo perdido; está apenas instrumentalizado sob a forma da mercadoria. Os bárbaros de hoje, com seu poder radicalizado na mera posse, ignoram qualquer proposição de cunho filosófico sobre o que pode ou … Continuar lendo

Publicado em Estética, Poesia | Marcado com , , | Deixe um comentário

Sobre a velhice/ Sobre a amizade

Cícero, quem se lembra dele? Ficou muitas vezes atrelado à idéia do ornamento pelo ornamento, sabemos todos. Mas há um certo ensinamento ético nas obras em questão. Lembrei-me dele quando, depois de um turbilhão de leituras, um amigo bateu à … Continuar lendo

Publicado em Cotidiano | Marcado com , | Deixe um comentário

Finalidade sem fim

Kant é o homem que tenta desvincular o fim (a utilidade) do objeto artístico da sua finalidade (isto é, do prazer subjetivo que provoca). O fim diz respeito aos objetos empíricos, ou seja, que têm utilidade prática na vida. Toda … Continuar lendo

Publicado em Estética, Filosofia | Marcado com , , | Deixe um comentário

O belo e o verdadeiro

Em que medida o belo acompanha o verdadeiro ou pode ser expressão dele se o verdadeiro pertence à Lógica, e o belo, à Estética? Em que condições o belo artístico se assemelha ao belo natural se a lua cheia, avermelhada e gigantesca que … Continuar lendo

Publicado em Estética, Filosofia, Poesia | Marcado com , , | Deixe um comentário

Ratzinger e a má-fé de Sartre

Estar condenado à liberdade. Esse era o argumento sartriano para a condição humana. Segundo o mesmo autor, é quando recusamos nossa condenação à liberdade que agimos de má-fé. O apelo à religião é, sem dúvida, má-fé de primeira linha. Invariavelmente, abdicamos da liberdade para ficar sob … Continuar lendo

Publicado em Filosofia, Religião | Marcado com , , | Deixe um comentário

A música

A música, somente ela, isto é, a música sem letra, desprovida de um objetivo mais racional, é a que nos leva mais longe. Talvez porque contenha em sua forma o próprio conteúdo. Naquele sentido de revelação quase metafísica da verdade (ecos heideggerianos … Continuar lendo

Publicado em Linguagem, Música, Silêncio | Marcado com , , | 2 Comentários

Linguagem é linguagem

  Somente pela linguagem é que a linguagem se institui. O poder de uma palavra ou de uma frase é amplo e acata diversos sentidos. Vulgarmente, as palavras não expressam mais do que a imediatidade do mundo ôntico. Somente aqueles que trabalham … Continuar lendo

Publicado em Filosofia, Linguagem | Marcado com , , | Deixe um comentário

Nem mazurcas, nem abusões

  “Nem mazurcas, nem abusões”, dizia Drummond, em língua que não mais entendemos hoje, ao falar sobre a poesia e sua procura  – sobre como não fazer poesia (repara: na dialética entre o fazer e o ser, a poesia está mais … Continuar lendo

Publicado em Poesia, Poetas brasileiros, Sociedade brasileira | Marcado com , , , | Deixe um comentário