O belo na arte

belo-na-arte

A incrível e meritória (?) arte de escrever sobre o que não se sabe: eis o que é a filosofia. Uma tentativa de estabelecer o necessário, o almejado e tão-somente necessário, como possibilidade de comprovação de verdades, que não são mais do que ínfimas. A escrita em ziguezague de Hegel e a escrita em espiral de Heidegger tateiam pela escuridão de nossa humana incerteza  e julgam trazer-nos certa luz. Ocorre que a luz é, apesar do esforço, bruxuleante: não aquece, nem ilumina (como diria o Carlos de Itabira). Com isso, ou por isso, a vida apresentada como está, seja ela a vida natural e assistemática, seja ela a vida sistemática do acorda-come-trabalha-dorme (ou até mesmo a vida sex-sleep-eat-drink-dream de rei escarlate), acaba sendo apenas um fim em si mesmo, instaurando sobre nossas cabeças, como a espada da lenda, a necessidade/inexorabilidade de uma só coisa insofismável: nossa estupidez.

Texto escrito em 15/5/2008
Anúncios
Esse post foi publicado em Arte, Estética, Filosofia e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s