Arquivo da categoria: Literatura

Um trecho de Crime e Castigo 

Abstenho-me de comentar o trecho abaixo. Apenas grifo. “[…] segundo eles, todos os crimes se devem ao ambiente deletério, e nada mais. Magnífica frase! De onde se deduz, diretamente, que, se a sociedade estivesse normalmente constituída, então acabariam imediatamente todos … Continuar lendo

Publicidade

Publicado em Literatura, Literatura Russa, Socialismo | Marcado com | Deixe um comentário

Mau negócio (miniconto)

Depois de acordar mais cedo que os empregados da casa, um empresário, sentado na privada de louça inglesa de seu banheiro de quarenta metros quadrados, lê o jornal do dia. No caderno de economia, descobre que o fundo de ações … Continuar lendo

Publicado em Literatura | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Um conto

Abaixo, um mini-conto meu, publicado em 1998. Atentem para os bruscos cortes temporais da narrativa, aliados à troca constante de foco narrativo.  O velho Seis horas da manhã. O velho coloca a sexta bala no tambor do revólver prata. Os … Continuar lendo

Publicado em Contos, Literatura | Marcado com | Deixe um comentário

Contribuição da literatura à argumentação jurídica – resenha concisa

Abaixo, resenha concisa que fiz do subcapítulo Direito e retórica – Contribuição da literatura à argumentação jurídica e ao equacionamento da questão do bem-comum, de autoria do jurista e professor Plauto Faraco de Azevedo. In: Azevedo, Plauto Faraco de. Aplicação do Direito … Continuar lendo

Publicado em Direito, Literatura | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Literatura e engajamento – Sartre

Abaixo, um pequeno resumo informal, que fiz ao final da década de 199o, do que Sartre dizia na primeira parte de seu livro “Que é a literatura?”. Nessa época (década de 1940), ainda se falava em literatura e engajamento…  I … Continuar lendo

Publicado em Crítica literária, Filosofia, Literatura | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Madame Bovary, O Primo Basílio e Dom Casmurro – vai encarar?

Lembro-me de ter lido, faz cerca de dez anos, o ensaio de Silviano Santiago intitulado “Eça, autor de Madame Bovary”. O texto do crítico mineiro tem já seus 35 anos, mas ainda sobrevive nos cursos de Literatura Comparada, tenho certeza. … Continuar lendo

Publicado em Crítica literária, Leitura, Literatura, Literatura Brasileira, Literatura Comparada, Literatura Francesa, Literatura portuguesa | Marcado com , , , | 12 Comentários

Swift – As viagens de Gulliver (para adultos)

Em um dos clássicos da literatura de língua inglesa, Jonathan Swift escreve sobre um certo Lemuel Gulliver. “Sobre” não seria a preposição adequada, uma vez que a obra é escrita em primeira pessoa. Portanto, Swift não escreve sobre Gulliver, mas … Continuar lendo

Publicado em Literatura, Literatura Inglesa | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Adeus a “Cerromaior”, de Manuel da Fonseca

Abaixo, as primeiras páginas de um ensaio mais longo sobre o romance “Cerromaior”, de Manuel da Fonseca. O livro é de 1943, o ensaio, de 1999. São coisas velhas, portanto. Publico-o, em grande parte, como divertimento pessoal. Eu era outro, … Continuar lendo

Publicado em Literatura, Literatura portuguesa, romance português, Teoria da Literatura | Marcado com , , | 2 Comentários

De volta às “Memórias do Coronel Falcão”

  Prezados leitores: apresento uma resenha já antiga, escrita na década de 1990, sobre livro mais antigo ainda. Antes que a gaveta a engolisse, retoquei-a, para publicação curta, como esta. É claro que cortei algumas coisas e retirei algumas ingenuidades. … Continuar lendo

Publicado em Literatura, Literatura gaúcha | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Literatura e filosofia: prolegômenos [Parte 2]

Dando continuidade à apresentação do capítulo inicial de minha tese (ver a postagem do mês de novembro, neste site), apresento o subcapítulo em que trato da distinção entre o escritor de ficção e o filósofo. Para tanto, talvez inusitadamente, Heidegger e … Continuar lendo

Publicado em Filosofia, Literatura, Poesia, Teoria da Literatura | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Série “recauchutagem” (1): Por que literatura? Por que filosofia?

  Nota: O calor e a indolência deste janeiro fizeram-me recuperar, no que chamarei de Série “recauchutagem”, alguns pequenos textos publicados, há algum tempo, em outro local. Assim, não se perdem (não me perco) totalmente. No quadro acima, Aristóteles encara o … Continuar lendo

Publicado em Filosofia, Literatura, Sociedade brasileira | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Literatura e filosofia: prolegômenos [Parte 1]

   Nota: Apresentarei aqui, aos poucos, parte do capítulo inicial de minha tese, defendida em 2007 no Instituto de Letras da UFRGS. A tese tem como título “Jornada rumo ao crepúsculo: uma leitura nietzschiana de Moby-Dick”. “Crepúsculo” diz respeito ao “Crepúsculo … Continuar lendo

Publicado em Filosofia, Literatura, Poesia, Teoria da Literatura | Marcado com , , , , , | 2 Comentários

Uma introdução a Kierkegaard

Acreditem, prezados leitores, que, por influência de meu pai, e também por imposições acadêmicas bem posteriores, em um já longínquo Mestrado, estudei um pouquinho de Kierkegaard. Há boas traduções de sua obra em língua inglesa, publicadas pela Princeton. Em português, as coisas … Continuar lendo

Publicado em Estética, Filosofia, Literatura, Religião, Teoria da Literatura | Marcado com , , , , , | 2 Comentários

A vida na Disneylândia

Para além das vicissitudes da vida comum de professor, que, como sabemos, não é, em geral, espetacularmente bem remunerada, o profissional que se dedica ao estudo da língua e da cultura inglesas (ou norte-americana) precisa, no Brasil, estar pronto para … Continuar lendo

Publicado em Cotidiano, Ensino, Estética, Linguagem, Literatura, Professores, Sociedade brasileira | Marcado com , , , , , , | 4 Comentários

João Simões Lopes Neto e a miséria intelectual dos gaúchos

  Qualquer aluno de Literatura Brasileira que se interesse pelos escritores gaúchos terá, como uma espécie de obrigação, tomar conhecimento da obra de Simões Lopes, seja por questão lingüística, seja por questão cultural. Ao ler Simões Lopes Neto, até o … Continuar lendo

Publicado em Literatura, Literatura gaúcha, Sociedade gaúcha | Marcado com , , , | 12 Comentários

Filosofia e literatura: algumas derivações impróprias de opúsculos de Herman Melville

  Este texto foi escrito há alguns anos, em momento embrionário de uma certa tese. A edição, o título, os subtítulos, os comentários entre colchetes, além de algumas inserções no corpo do próprio texto, datam de hoje. O texto é … Continuar lendo

Publicado em Filosofia, Literatura, Literatura norte-americana, Metafísica, Poesia, Teoria da Literatura, Tragédia | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Do Coração das trevas à vida na cidade (uma tradução de Conrad)

Aí abaixo está  minha tradução de um trecho do famoso “Heart of Darkness”, de Joseph Conrad, publicado pela primeira vez em 1902. Trata-se, penso eu, de uma boa leitura para o brasileiro urbano medianamente instruído que, ao voltar de suas … Continuar lendo

Publicado em Literatura, Sociedade brasileira, Tradução | Marcado com , , , | 2 Comentários

Duas certas (e errôneas) traduções de Frye

Traduzir é tarefa ingrata. O tradutor está, queira-se ou não, sempre sob certo julgamento. Por mais bem feita que seja a tradução, um só erro basta para que críticos mais agudos reclamem muito daquilo que se traduziu e desconsiderem o … Continuar lendo

Publicado em Linguagem, Literatura, Religião, Tradução | Marcado com , , , , , , | 8 Comentários

Tchekhov – Uma história enfadonha

Em tempos de globalização e pensamento único, nada como voltar a Tchekhov e seu magistral conto “Uma história enfadonha”. Lá estão os motivos que fazem com que o intelectual às vezes canse da vida em casa, da vida em sociedade … Continuar lendo

Publicado em Literatura, Universidade | Marcado com , , , | 2 Comentários

Burgess – English Literature

Em um texto bastante simples e direto, como devem ser, aliás, os textos didáticos, Anthony Burgess dá uma boa introdução ao tema “o que é literatura?”. Nos primórdios da minha graduação o havia lido, mas dele não me lembrava. Agora, … Continuar lendo

Publicado em Literatura, Teoria da Literatura | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Flaubert. Flaubert?

A inevitabilidade da constante troca de estados de espírito é em muito proveniente do efeito que o mundo exterior em geral provoca. Como não é possível viver em harmonia com uma civilização milenar que se repete em erros mesquinhos e egoístas, … Continuar lendo

Publicado em Escritores, Literatura | Marcado com , , | Deixe um comentário