Nem mazurcas, nem abusões

 drummond2

“Nem mazurcas, nem abusões”, dizia Drummond, em língua que não mais entendemos hoje, ao falar sobre a poesia e sua procura  sobre como não fazer poesia (repara: na dialética entre o fazer e o ser, a poesia está mais próxima deste do que daquele). Se a poesia, contudo,  resta inacessível a todos, é porque os interesses são outros. Toda vez que ingresso nos ditos ambientes culturais de nossas cidades livrarias, cafés e megastores meu fígado (ou será minha úlcera?) acusa o golpe: ao som de algo mais enfadonho do que uma dança polonesa, lá estão todos os nossos “poetas”, falando em excesso, gritando em excesso, existindo em excesso, abusões encarnadas que são.

 Texto escrito em 07/4/2005
Anúncios
Esse post foi publicado em Poesia, Poetas brasileiros, Sociedade brasileira e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s