Poema invertido

 
O boi rumo à pastagem
(verde e tenra)
é como a casa que espera
o homem que já chega:
 
Portas fechadas a esconder
conforto e calor,
Carne que se locomove –
a antever prazer (e dor).
 .
Sossego e permanência,
Ruminação e corte.
Sono ou devassidão,
Empanzinamento e morte.
Anúncios
Esse post foi publicado em Poesia e marcado . Guardar link permanente.

2 respostas para Poema invertido

  1. Fábio D'Ávila disse:

    Reto, como o autor.
    Saudade.

  2. Vinicius disse:

    Valeu, Fábio. Saudade do Rio Grande.
    Abraço,
    Vinicius

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s