Arrombamento [miniconto]

krupa

Sentada à bateria, a menina executa os rudimentos de Gene Krupa. É a sua primeira manhã no apartamento. As paredes estão forradas com caixas-de-ovo: isolamento acústico.

Na Imobiliária Jerusalém, à mesa de madeira escurecida, Edmilson bate feito um primata nas teclas de sua velha Remington verde-musgo. Vender um imóvel à vista significou um bom dinheiro:

— Aquela baterista merece flores — diz para interlocutor nenhum.

Vai, depois de almoçar um prato-feito regado à fanta uva, até a floricultura japonesa e compra — recomendação da proprietária — um arranjo de bromélias. Na verdade, o que ele aprecia são as dálias.

— Flores bregas — disse-lhe a oriental.

Ao sol esbraseado, com a camisa empapada e um palito na boca, caminha até o apartamento da moça.

No interfone procura o número e crava-lhe o polegar três vezes, em intervalos intermitentes.

A menina, lá em cima, acompanha a rapidez cromática do bebop de Charlie Parker.

Junto ao muro do edifício, às quatro da tarde, um vira-lata urina sobre o alaranjado ressequido das bromélias.

 

Escrito em 1998.
Anúncios
Esse post foi publicado em Contos e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s